Liberte-se dos Medos

Livro do Mês - Maio de 2008

Liberte-se dos Medos

Liberte-se dos Medos - Superando a Ansiedade e Vivendo sem Preocupações

Imaginemos, leitor, que você não está entre os quatro e meio milhões de leitores e /ou visitantes de Golfinho. Que é a primeira vez que ingressa no Portal de PNL da Língua Portuguesa e deseja maiores informações sobre o autor do livro que ora iremos comentar. Ou que você deseja coletar maiores informações sobre Joseph O’Connor e seu papel no desenvolvimento da Programação Neurolinguística. Sugiro, então, que, de início, clique em Biografias e/ou que acesse aqui e poderá ler uma entrevista que Golfinho fez com o autor de LIBERTE-SE DOS MEDOS, obra que Joseph acaba de lançar pela Qualitymark Editora, do Rio de Janeiro.

A obra, copyright de 2008, desembarca em língua portuguesa já prenhe de elogios e recomendações de autores da estatura de, entre outros, Robert Dilts, Sue Kinight, autora do importante livro A NEUROLINGÜÍSTICA E O SUCESSO NOS NEGÓCIOS, também "Livro do Mês" de Golfinho, além de um livrinho muito criativo publicado no Brasil com o título INTRODUÇÃO À NEUROLINGÜÍSTICA, texto excelente para se iniciar nos meandros da PNL; livro suplementar ao mundialmente famoso, clássico e fundamental, também de O’Connor, em parceria com John Seymour, INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO NEUROLINGÜÍSTICA, que de tanto ser citado em artigos e bibliografias neste Portal, considerado pelo articulista e pela editora de Golfinho como "hours concours" entre as obras "iniciáticas" de PNL... por um cochilo editorial ainda não foi "Livro do Mês". Na verdade sua primeira edição ocorreu antes da criação desta seção.

Em LIBERTE-SE DOS MEDOS o autor mergulha e nos faz habilmente mergulhar nos escaninhos da mente e demonstra como a Programação Neurolinguística pode lidar beneficamente com nossos medos, estresses, ansiedades, autoestima, e tantos outros perigos externos ou gerados pelas nossas crenças e valores.

Obra de mais de 200 páginas, tendo como subtítulo "Superando a ansiedade e vivendo sem preocupações" Joseph O’Connor, embalado por músicas compostas e/ou instrumentalizadas por Maná, Santana, Antonio Jobim, Robbie Williams, Damnien Rice e Sarah McKayghlan , compôs um texto em que o medo é abordado sob a ótica da PNL, conceitual e fisiologicamente, e depois medido. Em que com muito didatismo ensina o leitor a aprender e desaprender a ter medo. Que nos ensina a trabalhar os medos infantis – nossos e os dos nossos filhos. Que decodifica a linguagem do medo e nos apresenta à metáfora, um processo muito importante para ressignificar o medo, principalmente em crianças, como tenho testado pessoalmente em meu consultório (vide www.metaforas.com.br). Que nos apresenta o medo do tempo, o que me faz refletir sobre uma frase do Zen Budismo: "Qual era a tua face, caro leitor, antes de teus pais terem nascidos"?

No capítulo 6º o autor nos coloca frente a frente dos "Medos comuns que nos mantém reféns", como o de voar, de ter sucesso, de autoridade, de dentistas e médicos, de altura, elevadores. E da morte. Em outros capítulos historia a instabilidade do momento em que os humanos estamos vivendo. Dos medos sociais, dos medos de mudança, de medo do futuro, das autossabotagens, de culpas, das crenças limitantes, de metáforas do fracasso. E tanto e tantos medos frutos das nossas mentes turbulentas, do mundo turbulento.

O’Connor é otimista, como de resto a PNL. Mas demonstra que toda mudança exige organização e criatividade, determinação e flexibilidade. Em síntese, vontade de mudar.

Na parte III – você toma conhecimento do medo autêntico, do medo como um amigo, do medo como um sinal para entrar em ação; de como avaliarmos a segurança e o risco; de como agir criativamente sobre o medo. E enuncia para você dois guias importantes: confiança e intuição.

Na parte IV – "Encontrando a Liberdade – Técnicas para superar seus medos", Joseph O’Connor detalha o valor oculto do medo, da importância da autoestima, do respeito – e como lidar fisicamente com o medo: mexendo nas sensações, na respiração, nos sentimentos, e aclareia a importância do relaxamento, técnica que não possui no Ocidente o status adotado na cultura oriental.

Mas vai mais além: didaticamente ensina como lidar mentalmente com o medo, demonstra como praticar e que tipos de recursos são importantes para a sua ressignificação.

Mas a obra, um verdadeiro referencial de consulta permanente para os masters e trainers em PNL, inclusive para os terapeutas e psicólogos que agregaram a PNL ao seu conhecimento e prática, -- como aquele outro manual que O’Connor já nos ofertou e que foi "Livro do Mês" em abril de 2003, MANUAL DE PROGRAMAÇÃO NEUROLINGÜÍSTICA-PNL, -- nos ensina a mexer em todos os principais tipos de medos, nas ansiedades sociais; a nos libertar emocionalmente aqui e agora.

Dois ricos apêndices: Em "Pensando em Pensar com a PNL", didaticamente aloca como utilizar as submodalidades visuais, auditivas, cinestésicas, e as submodalidades olfativas ou gustativas. No segundo apêndice resume as "Técnicas para a Libertação".

As Referências de cada capítulo são excelentes. Lamentavelmente – problema comum nas edições brasileiras, -- obras já traduzidas, inclusive PNL E SAÚDE, do próprio autor, estão registradas em inglês não se mencionando a edição em português..

Na Bibliografia, bastante importante, o editor e o tradutor voltam a repetir o erro: o livro COACHING COM PNL, de Joseph O’Connor e Andréas Lages, publicado em nosso país pela própria Qualitymark, é relacionado na edição inglesa. Cadê o pessoal de marketing da editora?

Registramos tais senões editorais, para que os nossos editores deem um tratamento mais profissional às referências bibliográficas. Na dúvida, caros editores e/ou tradutores consulte Golfinho na seção de Livros onde estão registradas as obras de PNL publicadas em português, citando o título original e o adotado em nosso país. Facilitaria o leitor em suas consultas.

De qualquer forma podemos afirmar que Joseph O’Connor, britânico que adotou nosso país como residência, autor, consultor e criador de técnicas de Programação Neurolinguística, acaba de presentear a PNL, aqui e em qualquer parte do mundo, com uma obra que já nasce clássica.

João Nicolau Carvalho, 05/2008, enquanto ouvia Carmina Burana, de Carl Orff