Volta à página inicial

18 anos
13.219.467
visitantes únicos, veja...

RSS (Really Simple Syndication) RSS (Really Simple Syndication) Golfinho - o portal da PNL no Brasil
www.pnlbrasil.com.br    www.golfinho.com.br    www.pnl-golfinho.com.br

O que é PNL
Definição, livros e artigos para iniciantes

    Inicial
    Artigos PNL
    Livros PNL
    Cursos PNL
    Centros de PNL
    Profissionais
    Diversos
    Livros do Mês
    Filmes e PNL
    Exercícios
    * Divulgar
    Links
    PNL Escola
    Golfinho
    Impresso
    Golfinhos
    Dicas
    Biografias
    Download
    Congressos
    CDs e DVDs
    Contatos
    Cadastre-se
    Tradução PNL
    Glossário PNL
    Novidades
    Entrevistas
      e Teses

    Pesquisar
Caminhada sobre brasas

Caminhada sobre brasas

Do livro: Usando sua mente - Richard Bandler

Página 124

Homem: Muitas pessoas estão usando a técnica de andar sobre brasas para modificar os limites de convicção das pessoas. O que você acha disso?

Se alguém crê que não pode andar sobre brasas e descobre que isto é possível, isto pode com certeza abalar uma antiga convicção, sobretudo se lhe disserem: "Se você consegue andar sobre brasas, pode fazer qualquer outra coisa! ". No entanto, não há como especificar o que colocar no lugar da antiga convicção. Eu li sobre uma pessoa que depois de ter andado sobre brasas disse: "Agora acredito que sou capaz de ficar em pé no meio de uma explosão nuclear e isto não me afetaria". Se ele tiver sorte, nunca terá de testar esta nova convicção, mas é um exemplo do tipo de convicção estúpida que pode ser criada. Se criarmos convicções desta natureza, o que pode acontecer é que as pessoas vão ter convicções que não têm uma base sólida de informações ou de provas concretas. Um dos professores desta técnica de caminhada sobre as brasas se autodenomina do mais moderno instrutor de PNL", quando nem freqüentou os cursos intermediários, quanto mais o do certificado de instrutor! Algumas das suas outras convicções são ainda menos evidentes.

Conheço algumas pessoas que conseguiram fazer mudanças bastante úteis através da caminhada sobre brasas. Mesmo um relógio parado dará a hora certa duas vezes ao dia. O problema com esta técnica é que as pessoas têm pouco controle sobre a nova convicção que toma o lugar da antiga. Já existem crenças esquisitas e perigosas em número suficiente no mundo para que acrescentássemos outras aleatoriamente.

Um outro problema com uma coisa do tipo da caminhada sobre as brasas é que ela quase sempre cria a convicção de que é necessário um fato externo dramático para fazer a pessoa mudar. Preciso criar a convicção de que as mudanças acontecem sem cessar e facilmente, e para que elas funcionem é preciso compreender como comandar o seu cérebro. E para tal, não é necessário andar em cima de brasas.

Agora, é completamente diferente julgar se é realmente difícil ou não caminhar sobre brasas, ou se as seis horas de preparação evangélica fazem qualquer diferença para se conseguir ou não fazer a caminhada. Um repórter do Rolling Stone marcou o tempo da caminhada, e a média era de 1.7 segundos, com uma variação de 1.5 a 1.9 segundos. A distância era de cerca de 3 metros, de forma que era possível cobrir a distância com quatro passos - dois em cada pé. Isto dá um máximo de menos de meio segundo de contato real por passo dado. Fala-se muito também sobre a temperatura das brasas - 1.400 a 2.000 graus -, mas não mencionam o fato de que o pé só tem dois contatos com as brasas e que só duram menos de meio segundo cada. Quando pegamos um pedaço de carvão que caiu no tapete para jogá-lo de volta à lareira o contato que se tem é mais ou menos idêntico - sendo que os dedos são muito mais sensíveis do que os pés.

É necessário uma transferência de calor para que haja queimadura, não apenas temperatura, e o tempo de contato é apenas um dos fatores na transferência de calor. O outro fator é a condutividade. Digamos que você esteja numa cabine nas montanhas e ao se levantar de manhã e a temperatura seja de 20 graus abaixo de zero, o seu pé encosta num pedaço de metal enquanto que o outro encosta num tapete de pele de carneiro. Apesar das duas superfícies estarem à mesma temperatura, o metal vai parecer bem mais frio, por conduzir melhor o calor. A condutívidade do carvão é bem maior do que a da pele de carneiro, mas bem menor do que a do metal. A próxima vez que encontrarem com uma pessoa que caminha sobre brasas, perguntem-lhe se estaria disposta a caminhar sobre uma chapa de metal que estivesse à mesma temperatura que as brasas!

Há ainda um fator adicional que os cientistas chamam de "efeito de congelação Leiden". Quando há uma diferença de temperatura significativa entre duas substâncias e a mais fria ou é um líquido ou contém um líquido, uma fria camada de vapor é formada para criar uma barreira de isolação que reduz bastante a transferência de calor.

Todos os índices mostram que uma caminhada sobre brasas de três metros e de 1.5 segundos de duração é algo que qualquer pessoa pode fazer, mas que poucas pessoas pensam que podem fazer.
 

volta à página onde você estava   www.golfinho.com.br
Sociedade Brasileira de PNL
Actius, consultoria, Desenvolvimento e Liderança
INAp
PAHC
CDP - Leoclides Marcon
INEXH
Instituto de Thalentos
Sociedade Internacional de PNL by Claudio Lara
INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DO POTENCIAL HUMANO
Mundo das Metáforas
Metas e Objetivos
e-mail enviando comentário site do GOLFINHO
Obrigado!
Volte sempre.

volta à página onde você estava volta página inicial
Esta página é produzida e mantida pela Equipe do Golfinho Webdesign
Hospedado por: LOCAWEB

Google Facebook